Kubuswoningen: conheça as "casas cubo"

Casas Cubo (holandês: Kubuswoningen) são um conjunto de casas inovadoras construídas em Helmond e Rotterdam, nos Países Baixos, projetado pelo arquiteto Piet Blom.  Blom inclinou o cubo de uma casa convencional a 45 graus, e descansou-a sobre um poste em forma de hexágono. Seu projeto representa uma aldeia dentro da cidade, onde cada casa representa uma árvore, e todas as casas em conjunto, uma floresta.


Casas Cubo em Helmond

Três versões de teste foram construído pela primeira vez em 1974, e em 1977, 18 casas foram construídas em Helmond. As muitas casas necessárias para uma woonwoud (madeiras vivas) nunca se realizaram. As casas em Roterdã foram projetados em 1977, em um plano de 55 anos, dos quais 39 foram construídos. 

O complexo habitacional de Helmond foi o primeiro das Casas Cubo a ser construído, tendo em seu centro, formado por quatro cubos, um teatro - o Teatro Speelhuis - que seria o centro de atividades culturais do projeto, infelizmente destruído em um incêndio em 2011.  O conceito original dessas casas foi uma evolução da Casbá: viver sob um teto urbano, ou seja, a vida comunitária se desenrolando aos pés do nível habitacional. Pelo menos era isso que Piet Blom advogava.  Espaço comum urbano conseguido através de uma variante das casas em palafitas.  

Ele usou uma coluna, para fazer o que chamou de “floresta urbana”: cada Casa Cubo seria a abstração de uma árvore com o tronco como coluna de suporte e a copa como espaço de habitação. Com a repetição desses modelos teríamos então uma floresta ou um bosque urbano onde a vida diária se passaria à sua sombra.   Para conseguir o efeito ‘copa” Piet Blom virou o cubo de habitação em 45 graus, e colocou uma coluna de sustentação hexagonal.  Dezoito Casas Cubo foram construídas em Helmond, em 1974 e 1977.



O projeto urbano em Helmond era para ter sido parte da reurbanização da antiga Rue de la Loi. Mas a administração local considerou o projeto muito alternativo e que não se adequava às necessidades do centro de Helmond. Como prêmio de consolação pelo projeto Piet Blom foi convidado a localizar seu projeto no bairro Grande Driene, um bairro novo, nos arredores da cidade.  

Piet Blom desenvolveu cinco diferentes tipos de habitação. A menor unidade de um único apartamento até uma unidade bem maior como um estúdio para mais de um artista. As unidades maiores têm um terraço espaçoso e dois a quatro quartos. A densidade habitacional alcançada no projeto com esta concepção de casas sobre colunas foi quatro vezes maior do que  a conseguida numa área residencial normal. Para um país como a Holanda, cortado por canais, onde a terra para construção tem um valor descomunal, essa economia de espaço é essencial.

Casas Cubo de Rotterdam

A cidade de Rotterdam solicitou a Piet Blom o projeto de um complexo habitacional que pudesse ser construído acima de uma ponte para pedestres. 

O resultado foi exatamente as Casas Cubo, cada qual representando uma árvore, resultando numa floresta urbana. As trinta e oito Casas Cubo de Rotterdam estão localizadas na Rua Overblaak, ao lado da estação Blaak do metrô.  Elas continuam o mesmo conceito desenvolvido em Helmond, mas usam diferentes materiais de construção.



As casas se “equilibram” num pedestal hexagonal.  Em algumas dessas casas a coluna hexagonal tem uma área para guardar coisas e uma escada dando acesso à habitação propriamente dita, mas em outras, essas colunas têm pequenas lojas. 

Cada Casa Cubo tem três andares: a entrada no térreo; o primeiro andar, que tem um a planta triangular, é onde se encontram a sala de estar e a cozinha – aberta, à americana como se diz no Brasil.  Nesse andar as janelas abrem para o andar de baixo, inclinadas para a área comum.


No segundo andar estão os dois quartos e um banheiro e o andar de cima,que também tem um planta triangular, é usado como uma área extra, quarto de hóspedes, sala ou até como jardim.  É aí que essas habitações têm uma ótima vista com janelas na parte piramidal da construção. Todas as janelas e paredes foram construídas num ângulo de 54,7 graus.  Cada apartamento tem aproximadamente 100 m², mas só um quarto desse espaço – 25m² pode ser efetivamente usado por causa dos ângulos das paredes e dos tetos.


Há 38 cubos pequenos e dois chamados "super-cubos", todos ligados uns aos outros. Como os residentes são perturbados tantas vezes por transeuntes curiosos, um proprietário decidiu abrir um "show cubo", equipado como uma casa normal, que fica aberto para oferecer passeios para os visitantes. 

Em 2006, um museu de peças de xadrez foi aberta sob as casas. Em 2009, os cubos maiores foram convertidos em albergues, gerido pela empresa holandesa Stayokay.




Fontes:

peregrinacultural.wordpress.com