Li-Fi: conheça a tecnologia que usa luz e promete ser o Wi-Fi do futuro

Empresa estoniana começa a testar a aplicação de redes Li-Fi em empresas do país com resultados impressionantes (Foto: Divulgação/Velmenni)As lâmpadas comuns passaram por várias evoluções desde as antigas incandescentes e o próximo passo é fazer com que elas também sejam capazes de fornecer Internet sem fio. A tecnologia, chamada Li-Fi, permite que uma lâmpada de LED comum possa se comunicar com dispositivos como smartphones e notebooks, de forma semelhante ao Wi-Fi tradicional, mas sem usar ondas de rádio ou mesmo precisar da instalação de infraestrutura específica para ela.

Outra característica do Li-Fi é que, como ele é baseado na emissão de luz, basta bloquear sua passagem no local onde ele é usado para evitar que o sinal seja compartilhado por pessoas indesejadas, o que garante a privacidade da comunicação. A maior vantagem competitiva que o Li-Fi tem em relação ao Wi-Fi é esta tecnologia usa uma frequência de ondas de alcance limitado e que tem que competir com outras tecnologias de transmissão que também usam rádio. Isto significa que quanto mais popular ela fica, mais tráfego existe na conexão.

Li-Fi permite que lâmpadas de LED sejam usadas para transmitir sinal de Internet (Foto: Divulgação/pureLiFi)

O Li-Fi, por outro lado, é baseado na luz, que possui uma variação de frequência de ondas diferente e cuja competição é menor. E, como ele precisa se comunicar diretamente com os dispositivos, seu alcance é limitado, evitando a interferência a longas distâncias.

A tecnologia é relativamente nova, mas já é viável comercialmente, existindo alternativas para quem quiser apostar nesta forma de comunicação. A expectativa é que a popularidade do Li-Fi cresça com o tempo, já que ele é visto como uma forma de viabilizar a comunicação de dispositivos da Internet das Coisas, evitando que elas sejam dependentes do Wi-Fi.

Confira o vídeo:


Novos testes demonstram que as conexões sem fio Li-Fi, que usam luz para trocar dados, não só são absolutamente viáveis do ponto de vista comercial, como se mostraram extremamente mais rápidas que as redes Wi-Fi convencionais, que usam ondas de rádio para trocar dados. De acordo com os testes realizados na Estonia, no estágio atual de desenvolvimento, o Li-Fi pode transmitir dados a 1 Gbps (gigabit por segundo), velocidade 100 vezes maior do que a média do Wi-Fi atual.


Fonte: Techtudo (The Next Web.techtudo)