Brasil: sem estrutura pra realização de evento de futebol mundial, o povo protesta nas ruas e FIFA se apavora

Veja o que já aconteceu de fato e que foi veiculado pela internet e abafado pela TV:

Preocupada com protesto, Fifa pede que torcedor não retire ingresso em hotel no Rio
DE SÃO PAULO

Preocupada com uma manifestação prevista para o Rio de Janeiro nesta quinta-feira, a Fifa sugere que quem agendou a troca do ingresso no Hotel Windsor Guanabara (região central do Rio) faça a retirada nos outros postos da cidade.

Isso porque o protesto deve se reunir em frente à igreja da Candelária, que fica próxima ao hotel.

O pedido da Fifa é enviado por e-mail aos torcedores que adquiriram entradas para a partida desta quinta, no Rio, entre Espanha e Taiti, às 16h. Os manifestantes afirmam que não pretendem se aproximar do estádio.

Há dois dias a Fifa já havia aberto outro posto de coleta no aeroporto de Santos Dumont depois dos problemas enfrentados pelos torcedores para a retirada dos ingressos no último fim de semana


Fifa diz que jogadores da Espanha foram furtados em hotel de Recife
DE SÃO PAULO

A Fifa confirmou, nesta quinta-feira, no Maracanã, zona norte do Rio, que os jogadores espanhóis tiveram pertences furtados nos quartos do hotel, em Recife.

A entidade disse que o caso já foi registrado na delegacia e a polícia investiga o crime. "Ainda não há mais informações sobre o assunto", afirmou o porta-voz da Fifa.

O delegado da Polícia Federal em Pernambuco, Humberto Freire, informou que foi aberta uma investigação para apurar o que de fato aconteceu. Não houve queixa.

Mas, por causa das notícias do furto, foi designado um delegado da Polícia Civil para tratar do assunto. Tanto o nome do delegado quanto o teor da investigação é conduzido sob sigilo pelas autoridades pernambucanas.

O gerente de governança do hotel Golden Tulip, Rudnei Freitas, disse que trata-se de um boato e que o chefe de segurança da Espanha enviou um emissário ao Recife para se desculpa com o hotel pelas notícias veiculadas.

Segundo a agência de notícias Efe, seis jogadores da seleção espanhola se queixaram do desaparecimento de dinheiro dos quartos do hotel em que estavam concentrados desde a chegada ao país, o Golden Tulip, situado na orla da praia de Boa Viagem, depois da partida de estreia na Copa das Confederações, disputada no último domingo em Recife.

Fontes da seleção espanhola informaram à Agência Efe nesta quinta-feira que o dinheiro furtado dos jogadores estava em envelopes e que a quantia se limitava a 1.000 euros, enquanto os demais atletas teriam usado o cofre ou escondido seus pertences de valor na mala.

O zagueiro Gérard Piqué, um dos atletas afetados, só percebeu que havia sido furtado na manhã da última segunda-feira, quando a Espanha se preparava para deixar o Recife com destino ao Rio de Janeiro.

De acordo com as fontes, Piqué teria sentido a falta de seu dinheiro no momento em que arrumava suas malas para deixar o hotel, um fato que acabou atrasando a saída do ônibus da delegação espanhola, que, por sua vez, também se queixou do fato de não ter escolhido o local de sua concentração.

Diferente do habitual, os hotéis usados na Copa das Confederações estão sendo designados pela Fifa, que também proibiu as seleções de realizar suas concentrações em uma única cidade, como a Espanha costuma fazer.

Protestos nas ruas apavoram dirigentes da Fifa e de seleções
DE SALVADOR

Os protestos que tomam conta das ruas nos últimos dias, atingindo inclusive o entorno e o interior dos estádios, deixaram integrantes da Fifa e de seleções apavorados com o andamento da Copa das Confederações no Brasil.

A competição virou um pesadelo para a entidade. Não que a Fifa esperasse um evento perfeito, mas a proporção dos problemas, segundo a Folha apurou, é maior do que o pior cenário imaginado.

Os protestos, em alguns casos violentos, se somaram a outras falhas, como furtos e problemas na infraestrutura.

Nesta quinta-feira à noite, durante manifestações em Salvador, onde a seleção brasileira pega a Itália no sábado, dois micro-ônibus usados pela Fifa foram apedrejados em frente ao hotel em que seus funcionários estão hospedados.

Foto: Jornal Atarde.

Manifestantes também atiraram pedras contra o hotel Sheraton, no Campo Grande, em Salvador. A polícia usou balas de borracha, gás lacrimogêneo e a Cavalaria para dispersar os manifestantes.

Segundo a Folha apurou, duas seleções procuraram a entidade para expressar preocupação com a segurança, principalmente de familiares dos atletas. Representante de uma delas chegou a manifestar o desejo de ir embora, alegando que futebol não se joga em "praça de guerra".

A Fifa também recebeu reclamações de torcedores que não conseguiram chegar aos estádios por causa dos bloqueios de vias de acesso.

Nesta quinta-feira, alguns torcedores do Uruguai foram assaltados quando tiveram que passar por um protesto no caminho para a Fonte Nova.

Policia faz repressão a manifestantes que transitavam pelas ruas
em direção à Arena Fonte Nova. Foto: Jornal Atarde

A Fifa já havia orientado seus funcionários a chegar mais cedo aos estádios --por volta das 9h, ainda que os jogos sejam às 16h e às 19h. Tudo para evitar os protestos.

Além de todos esses problemas no entorno dos estádios, houve ainda uma série de falhas relacionadas às equipes. Na quinta-feira, a Fifa anunciou que seis jogadores da Espanha foram furtados no hotel em Pernambuco.

O Uruguai foi impedido de treinar duas vezes no Recife. Primeiro, porque o gramado do estádio do Arruda estava destruído pela chuva. Depois, porque era impossível chegar ao CT do Sport --o caminho, de terra, também havia sido destruído pela chuva.

Até a seleção brasileira, anfitriã, enfrenta problemas. Nos jogos contra o Japão (em Brasília) e ante o México (em Fortaleza), o time levou muito mais tempo do que o planejado no trajeto entre o hotel e o estádio.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br