Supermaterial pode ajudar na despoluição da água



Simulação gráfica do material
(Fonte da imagem: 
Reprodução/Nanowerk)

Um novo material vem chamando a atenção de muitos cientistas pelo mundo. Chamado de “grafeno branco”, a composição traz propriedades que prometem ajudar em diversos usos diferentes.

Apesar de o material estar sendo chamado de grafeno branco, a verdade é que a sua composição não conta com nenhum grama sequer de carbono, pois ele é construído com base em nanofolhas porosas feitas com nitreto de boro.

Dessa forma, o composto ganhou o nome porque traz uma estrutura bastante semelhante com a vista no grafeno. Além disso, o batismo também pode trazer bastante publicidade ao estudo.

Água mais limpa

O supermaterial foi criado inicialmente para ser utilizado em produtos eletrônicos, contudo, pesquisadores descobriram que, na verdade, sua aplicação ideal pode ser no combate a agentes poluentes que estejam contaminando a água.

Em um trabalho publicado na revista Nature Communications, os pesquisadores Weiwei Lei, David Portehault, Dan Liu, Si Qin e Ying Chen afirmam que o grafeno branco conta com uma capacidade extremamente alta de absorção de materiais poluentes, como óleos e solventes.

O interessante é que ele consegue trabalhar como uma esponja, prendendo a contaminação enquanto repele a água, ajudando em sua limpeza. Segundo os pesquisadores, ele é capaz de absorver até 33 vezes o seu peso em “sujeira”. E fica melhor: depois de utilizadas, as “lâminas” de grafeno branco podem ser facilmente limpas e reutilizadas, além de terem uma grande resistência contra a oxidação.

O segredo estaria em sua composição, feita de várias nanofolhas de material poroso, algo que o ajuda na tarefa de segurar a sujeira e repelir a água limpa. Vale lembrar que o grafeno “original” também já teve a sua aplicação estudada para a limpeza da água.

Com tantas opções surgindo, agora nos resta torcer para que alguma seja realmente viável, que traga uma aplicação fácil e que também apresente preços acessíveis.



Fonte: Nature Communications, Nanowerk