"O Hobbit": Filme vai mudar tecnologia de exibição nos cinemas


Projeção deverá ter 48 quadros por segundo, o dobro 
do que é usado na atualidade, proporcionando imagens com um nível de detalhamento muito maior



Imagem: Divulgação/Warner Bros

O lançamento do filme “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”, em dezembro deste ano, deve representar um marco tecnológico para o cinema. Segundo informações do site Hollywood Reporter, a produção “obrigará” os cinemas a fazerem uma atualização de hardware em projetores, inaugurando uma nova era para o cinema.

A tecnologia atual de exibição de imagens suporta 24 quadros por segundo. Esse padrão é exatamente o mesmo utilizado desde a década de 20, quando os filmes sonoros começaram a chegar às salas de cinema. Até então, na época do cinema mudo, o padrão era de 16 quadros por segundo.

Com a redução significativa do uso da película no cinema e o consequentemente crescimento do padrão digital, aos poucos a regra dos 24 quadros por segundo está deixando de ter sentido. A produção “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”, dirigida por Peter Jackson, foi concebida com imagens em 48 quadros por segundo.


A Warner Bros. liberou o primeiro trailer do filme “O Hobbit”, longa que precede a história de “O Senhor dos Anéis”. Na trama, Bilbo Bolseiro, um Hobbit, viaja até a Montanha Solitária com um grupo de anões para buscar um tesouro roubado pelo dragão Smaug.

VEJA O TRAILER



A película “The Hobbit: An Unexpected Journey”, que no Brasil recebeu o título temporário de “O Hobbit”, é dirigida por Peter Jackson, cineasta responsável pela aclamada trilogia baseada na obra de J. R. R. Tolkien. A estreia está prevista para 14 de dezembro de 2012 nos EUA, mas ainda não há data oficial para o longa-metragem chegar ao Brasil.

A expectativa para o filme é grande, ainda mais depois que Peter Jackson revelou que o filme está sendo gravado com 30 câmeras 3D RED Epic-M. Esse modelo de filmadora capta imagens em 3D com resolução 5k (cinco vezes superior à da Full HD) e com uma taxa de 48 quadros por segundo.
Para que isso fosse possível, Jackson lançou mão da câmera Red EPIC e todas as imagens foram gravadas em resolução máxima. Cada dia da filmagem, que durou 265 dias, resultou em cerca de 6 TB a 12 TB de imagens, quantidade de conteúdo bastante significativa.

No momento, as salas mais completas de cinema reproduzem imagens em 2048x1080 pixels a 24 quadros por segundo, o que é bastante próximo da resolução de 1920x1080 a 24 quadros por segundo adotada nos players de Blu-ray. A atualização de hardware permitirá ainda imagens em melhor resolução nos cinemas, exibidas com muito mais qualidade.

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br