Cinema 4D. Salas chegam ao Brasil em 2012

O Brasil ganhará salas de cinema 4D em 2012. A novidade será introduzida no país por meio da empresa mexicana Cinépolis, quarta maior companhia do mundo no segmento. As primeiras salas serão erguidas em dois shoppings ainda em construção: o JK Iguatemi, em São Paulo, e o Pátio Batel, em Curitiba.




As salas de cinema 4D terão, além do equipamento convencional existente nas salas com projeção em 3D, um pacote com mais de 20 estímulos sensoriais. Assim, o espectador poderá sentir frio, vento, respirar fumaças e aromas e chacoalhar na poltrona do cinema.

Atualmente o grupo Cinépolis conta com quatro salas 4D em funcionamento no México. Os filmes “Os Três Mosqueteiros” e “Gigantes de Aço” são as atrações do momento.



Mais uma dimensão

Resumidamente, o cinema 4D adiciona experiências sensoriais a um filme 3D, “cutucando” os cinco sentidos dos espectadores. A cadeira se mexe e outros elementos são utilizados em sincronia com o que se passa na telona.



Os efeitos incluem espirros de água, vento, bolhas de sabão, prendedores nas pernas, cheiros, iluminação com strobos, cadeiras vibratórias — enfim, qualquer atrativo que enriqueça a experiência do público.

Em um filme sobre piratas, por exemplo, a cadeira pode balançar como um navio, e espirros de água e jatos de vento brisa simulam a força do mar e as condições do tempo.

Na verdade, não há uma lista com o que é usado: o que for possível adicionar a uma sala para despertar os sentidos do público vale. A exibição de Avatar em 4D na Coreia utilizou não menos que 30 efeitos durante os 162 minutos de filme, que incluiam cadeiras que balançavam, cheiros de explosivos, esguichos de água, laser e vento.

Algo está errado fisicamente

Recapitulando as aulas de física: as três dimensões são altura, largura e profundidade. A quarta dimensão representa o tempo, ou a passagem do tempo em si. É uma dimensão que não pode ser realmente vista, mas pode ser, de certo modo, percebida.

O físico teórico alemão Albert Einstein, por exemplo, contribuiu para os estudos da quarta dimensão. Para ele, o tempo passa de maneira relativa, isso depende se uma pessoa está em repouso ou em movimento.Quanto mais rápido o movimento, menos o tempo passa. O físico teórico japonês Michio Kaku, em 2000, definiu a quarta dimensão de maneira tão simples quanto interessante: “é a metáfora para o estranho e misterioso”.

Logo, cinema 4D é um nome de marketing, criado para continuar uma sequência crescente, de maneira parecida com os MP4, MP9, "MP500" da vida.




Mais tarde farei um post sobre o software "CINEMA 4D", que não tem nada a ver com as "salas em 4D".