UMA GREVE PARA REFLETIR

Prezados colegas, 

PRECISAMOS ENTENDER que nossa luta deve ser unificada. Sabemos das condições e planos pessoais de alguns colegas que COMO EU planeja as férias com todo carinho pois é um momento único com nossos familiares. Aliás, um momento singular, principalmente para aqueles que não moram perto da família como é o caso de vários colegas de nosso campus. Eu gostaria muito de olhar no horizonte e enxergar outras perspectivas para resolver nossa questão. Mas não podemos ser egoístas neste instante. Corremos sim o risco de perder as férias, mas não há vitória sem sacrifícios. E pode ser que não tenhamos vitória, mas teremos pelo menos a honra de ter lutado. Porque honra é o que queremos que seja respeitado pelo nosso governo. Um GOVERNO QUE VIVE DA LINDA VITRINE DA "EXPANSÃO DA REDE TECNOLÓGICA".  ORA, EXPANDIR SÓ NA CRIAÇÃO DE NOVOS CAMPI? NOVOS PRÉDIOS? E SALÁRIO? E QUALIDADE DE ENSINO?  E OS DIREITOS DOS QUE TRABALHAM PARA QUE POSSAMOS TER UMA EDUCAÇÃO DIGNA E ESTRUTURADA? Direitos nossos que foram tirados por Decretos que a interesse do Governo, são maiores que Leis, a exemplo do auxilio transporte que OBRIGA os que ganham menos a ficar longe da família, pois não existe condições de se gastar tanto para poder trabalhar. Não é justo, pelo menos para minha pessoa, ter que comer regrado para não ultrapassar o RIDÍCULO  auxilio alimentação que recebemos. Pior é que neste momento, como professor por escolha e dom, VEJO a nossa carreira desvalorizada pelo governo. GOSTARIA AMIGOS, de ser digno de dizer neste momento que " NÃO PRECISAMOS DE GREVE", mas infelizmente a realidade é outra. Vamos encontrar pessoas contra e a favor da greve e é sempre assim. Mas sei que no fundo, mesmo os que possuem titulação como mestrado ou doutorado, sabem que não estou falando nada errado. Amigos, precisamos de vocês também nesta luta!  Precisamos de Mestres e Doutores mostrando que são dignos do titulo que possuem e que acima de tudo também professores. Precisamos de todos: os com cargos, os sem cargos, os graduados e pós graduados, pois a luta é uma só. Precisamos garantir a manutenção da nossa carreira e da qualidade de ensino que o então IF sempre teve. Fui aluno da rede estadual, do antigo CEFET e da UFBA e nessa condição sempre apoiei as greves que aconteciam. Pois sempre tive a consciência social e politica de que o professor é o responsável por todas as outras carreiras que existem. Não há médico, juiz, presidente sem educação. Se o governo não faz a simples obrigação de enxergar a nossa importância, que pelo menos nós mesmos possamos nos valorizar.

Abraços,

Roberto Fernandes
Professor