Greve


A GREVE É INEVITÁVEL, É O INSTRUMENTO
MAIS EFICAZ QUE AINDA NOS RESTA
Temos tentado, no conjunto das Entidades Representativas dos Servidores Federais, fazer com que os projetos que tramitam na Câmara e no Senado sejam paralisados e que exista efetiva abertura de diálogo sobre projetos que modificam estruturalmente o estado brasileiro e as relações trabalhistas com os Servidores Federais. Afinal, somos responsáveis por executar toda uma política em favor da população brasileira, que precisa dos serviços públicos.
O que temos encontrado é uma truculência velada por parte do negociador escolhido para receber as entidades dos servidores/as, bem como um discurso afinado de que é preciso fazer sacrifícios e reduzir gastos, "fazendo mais com menos".
Enquanto os servidores/as não têm a perspectiva de uma negociação para 2011 e 2012, bem como não possuem qualquer expectativa de que os ataques diminuirão ou serão suspensos enquanto estiver ocorrendo o
diálogo, temos visto todo tipo de patifaria e de desperdício dos recursos públicos com a bancada aliada e com o aqueles que lotearam os cargos públicos no Estado Brasileiro. São bilhões pra cá, maracutaia pra lá e ninguém fala em "fazer mais com menos". No executivo e no congresso só se fala em preservar emendas e atender aos acordos políticos dos apadrinhados da tropa de choque do governo Dilma.
Partindo dessa realidade e de que a crise, hoje internacional, trará fortes influências na política que será utilizada nestes próximos quatros anos, nós servidores/as públicos federais não podemos ficar esperando o golpe de misericórdia sobre nossas cabeças. Precisamos construir mobilizações e enfrentamentos que sirvam para barrar os ataques que estão em curso e que só tendem a aumentar. É preciso que todos/as entendam que a Greve hoje é a única ferramenta que possuímos para gritar e questionar toda ordem de absurdos que continuam acontecendo neste "novo governo".
Não podemos permitir que continuemos sendo tratados com tamanho descaso e desrespeito.